Mais jovem que as rivais, Beatriz é 14º no Mundial Sub-23

Beatriz Tavares via remar o Single Skiff também no Mundial de Juniores

Beatriz Tavares via remar o Single Skiff também no Mundial de Juniores, em agosto

O Brasil encerrou sua participação no Campeonato Mundial de Remo Sub-23, em Linz-Ottensheim, na Áustria, em 14º e 21º lugares na classificação geral das respectivas provas. Na manhã deste sábado, a carioca Beatriz Tavares Cardoso ficou em segundo na semifinal C/D do Single Skiff Aberto feminino, com o tempo de 8m05s41, atrás da lituana Ieva Adomaviciute (8m01s64) e à frente da eslovena Anja Sesum (8m07s93). As três voltaram a se enfrentar no início da tarde na Final C, com nova vitória da lituana, em 7m52s26, tendo Beatriz em segundo (7m56s26) e a búlgara Luiza-Mariya Rusinova em terceiro (7m57s04). A eslovena ficou em quinto (8m16s02).

Logo em seguida à última prova de Beatriz, o gaúcho Evaldo Mathias Becker também se despediu do Mundial, com o terceiro lugar na Final D do Single Skiff Peso Leve masculino. Ele completou a prova em 7m20s06, pouco mais de 1s atrás do francês Morgan Maunoir (7m19s04), que liderou até os 1.500 metros, sendo superado no final pelo espanhol Adria Mitjavila (7m16s04). Com o resultado, o remador do Grêmio Náutico União terminou em 21º lugar entre os 27 participantes da prova com maior número de inscritos no Mundial.

Única das 19 atletas do Single Skiff Aberto nascida em 1995, Beatriz terá mais quatro oportunidades de disputar a competição, ao contrário de nove das concorrentes deste ano, que estão no limite da idade (até 22 anos em 31 de dezembro). Dentre as mais novas, a lituana Ieva Adomaviciute, rival da brasileira no último dia, e a sul-coreana Yeji Kim, vencedora da Final D, são as únicas também com 18 anos, mas como nasceram em 1994 não podem participar do Mundial de Juniores daqui a duas semanas na Lituânia, onde a remadora do Flamengo, 14º lugar em Linz, remará a mesma prova.

Disputada pela primeira vez em 1976, na França, a competição entre atletas abaixo de 23 anos ganhou status de Campeonato Mundial em 2005. O melhor resultado de um brasileiro desde então foi a prata do amazonense Ailson Eráclito, em 2009, no Single Skiff Peso Leve, prova em que ganhou o bronze no ano seguinte. Ausente em 2011, o Brasil participou com três barcos no ano passado, todos no masculino: Quatro Com Peso Leve (8º lugar), Double Skiff (14º) e Dois Sem (17º).

Veja todos os resultados deste sábado  no Mundial Sub-23.

© Remo em Voga ®
Anúncios

Sobre remoemvoga

Notícias e vídeos sobre o remo brasileiro e competições internacionais
Esse post foi publicado em Remo Internacional e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Mais jovem que as rivais, Beatriz é 14º no Mundial Sub-23

  1. Pingback: É só o começo – Promessa brasileira fica em 14º no Mundial Sub-23 de Remo | Olimpílulas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s